Revista Criança Cidadã - Matérias

Quatro anos de sons e esperança

Edição 03 - Agosto/Setembro 2010

O silêncio que tomava conta do ambiente antes dos sons de violinos, cellos e zabumbas se unirem em uma só música parecia prenunciar uma noite inesquecível. Aos poucos, o público foi chegando, e a plateia, enchendo-se. Um a um, os convidados se acomodaram nas duas mil poltronas do Teatro Guararapes, no Centro de Convenções, em Olinda. Todos esperavam por uma apresentação memorável na noite do dia 5 de agosto.

No palco, toda uma produção, literalmente, global. O clima estava perfeito. E quem compareceu certamente jamais se esquecerá de um dos momentos mais bonitos de uma história que ainda se equivale à de uma criança. No aniversário de quatro anos da Orquestra Criança Cidadã dos Meninos do Coque, todos que circundam o projeto de maior sucesso em Pernambuco ficaram encantados com o talento das crianças. Com menos da metade de uma década de estudos musicais, o grupo é reconhecido pelo profissionalismo.

Na noite preparada para brilhar, a Orquestra fez reviver a estrela do Rei do Baião, homenageado no "Concerto para Gonzaga", em que 72 garotos do projeto estiveram no palco ao lado do cantor Alcymar Monteiro – intérprete das músicas do forrozeiro. Como convidado especial, o maestro italiano Vittorio Ceccanti, que já se apresentou em toda a Europa, além da Ásia, Estados Unidos e vários outros países da América do Sul - incluindo o Brasil –, foi o responsável por reger a Orquestra Criança Cidadã.

Em uma apresentação de mais de duas horas, os meninos da Orquestra não puderam deixar de homenagear o maestro Cussy de Almeida, falecido no último dia 23 de julho. Os alunos do mestre tocaram Carinhoso, de Pixinguinha – música preferida do maestro. Além disso, a diretoria da Orquestra também resolveu nomear a sua escola de música com o nome Escola de Música Maestro Cussy de Almeida, em mais uma homenagem póstuma a Cussy.

Como atração da festa, o concerto ainda contou com a participação do coral dos garçons-cantores. Tudo foi devidamente registrado pela TV Globo, que ajudou a produzir o evento. A gravação será veiculada pela Rede Globo Nordeste para o Brasil e mais 160 países no dia 13 de dezembro – Dia Nacional do Forró e data em que Luiz Gonzaga completaria 98 anos de vida.

PRESENÇAS ILUSTRES

Além de toda a beleza de uma noite inspiradora, o evento que marcou o aniversário da Orquestra ainda contou com presenças bastante ilustres. A que chamou mais a atenção foi a do ator global Marcos Palmeira. E a presença do artista tinha um motivo especial. Ele está no Recife captando recursos a fim de filmar um documentário sobre a Orquestra, que será, provavelmente, veiculado no próximo Cine PE.

Além do ator, destacou-se também a presença do apresentador do evento, o jornalista Francisco José. Na plateia, outras figuras ilustres como a primeira-dama de Pernambuco, Renata Campos; o desembargador Eduardo Sertório; o produtor de cinema Alfredo Bertini; o empresário Queiroz Galvão; e o comandante do Comando Militar do Nordeste (CMNE), o general Salvador.

NADA COMO MERECIDOS ELOGIOS

Durante a festa que marcou a comemoração dos quatro anos da Orquestra, o que não faltaram foram elogios ao trabalho realizado pelo coordenador geral do projeto, o juiz João Targino, e pelo presidente da entidade, o desembargador Nildo Nery dos Santos. Alcymar Monteiro, Francisco José, o maestro italiano Vittorio Ceccanti e o ator Marcos Palmeira não economizaram nas parabenizações à Orquestra.

O primeiro foi o maestro. Convidado para reger os garotos e já íntimos dos meninos – após uma passagem pela Orquestra em abril –, demonstrou grande carisma ao se esforçar para colocar em prática um recém-aprendido português. Sobre o palco, o italiano revelou uma enorme simpatia com o projeto pernambucano e garantiu: “Não há um projeto igual a esse no mundo. O que acontece aqui é digno de muito orgulho. Essas crianças são maravilhosas e têm um talento incrível.”

Francisco José, comandando a cerimônia, também não poupou elogios. Em um determinado momento, lembrou a história difícil dos jovens que moram em uma das comunidades mais violentas do Recife: o Coque. “São garotos que estão vencendo na vida e são exemplos para qualquer jovem no mundo”, afirmou.

Ao subir ao palco, todo de branco, com uma estilosa roupa sertaneja, Alcymar Monteiro reverenciou a Orquestra com uma saudação com os braços. Ao fim, agradeceu a plateia e mandou um bonito recado a todos. “Fico feliz de ter participado desse momento. Queria que vocês nunca esquecessem essa Orquestra, que é um exemplo claro que o ser humano nasceu para o bem”, disse Alcymar.

Por fim, o ator Marcos Palmeira teve o seu momento de astro ao ser convidado por Francisco José para subir ao palco. “É bonito ver essa perspectiva de cidadania através da música. Fiquei muito impressionado com a capacidade desses meninos e encantado com o talento de todos. É incrível poder ver de perto que é possível”, elogiou o ator.

SONS DA ESPERANÇA

Todo bom filme parte de uma boa história. E toda boa história é potencialmente um prato cheio para um bom filme. Contando com essa recíproca lógica, já está confirmado: a história da Orquestra Criança Cidadã vai virar filme. O documentário longa-metragem em 35 mm será dirigido por Zelito Viana, o mesmo de Villa-Lobos: Uma Vida de Paixão. Zelito leva consigo o ator Marcos Palmeira para narrar Sons da Esperança, que mostrará o dia a dia das crianças através de entrevistas com alunos, dirigentes e funcionários, além de uma coleta de material audiovisual.

Sons da Esperança está na fase de captação de recursos. No entanto, já se sabe que será produzido por Alfredo Bertini, da Bertini Produções e Eventos. O plano é exibi-la no próximo Cine-PE. “Está tudo muito no início. Mas a pretensão é começar assim que a gente conseguir patrocinadores. Na verdade, é só isso o que está faltando. Uma boa história já existe, com certeza”, afirmou Viana, em entrevista antes de assistir à apresentação da Orquestra no Teatro Guararapes.

Zelito Viana também se prepara para gravar uma possível apresentação dos meninos no prêmio “Melhores Práticas de Inclusão Social do Mundo”, da Organização das Nações Unidas, que acontecerá no dia 3 de novembro em Dubai, Emirados Árabes. Tudo está, entretanto, no campo dos projetos. “A intenção é voltar no Cine PE 2011, apesar de sabermos que o tempo é curto. Vamos tentar contar essa história do modo como ela merece”, falou.

O ator Marcos Palmeira, filho de Zelito, também conversou com a nossa reportagem e revelou a satisfação em fazer parte do documentário que mostrará a história da Orquestra. “Quero muito voltar aqui no ano que vem com esse filme pronto. Seria um grande orgulho para mim. Estamos no início da produção. Espero que dê tudo certo”, disse o artista, que se mostrou muito empolgado com o documentário.

Confira outras edições