Revista Criança Cidadã - Matérias

Professor e Aluno ABCC

Edição 27 - Setembro/Dezembro 2018

José Lessa Jr.
Não é só na faixa preta, 4º dan – pela Confederação Brasileira de Karate (CBK) e pela Federação Mundial de Karate (WKF) – que se explica a paixão pelo caratê de José Eliezil Lessa Júnior, natural de Afogados da Ingazeira, município pernambucano da microrregião do Sertão do Pajeú. No esporte desde os 10 anos de idade, hoje, aos 44, o professor de caratê da Associação Beneficente Criança Cidadã carrega em seu currículo dezenas de títulos regionais e nacionais, além de participações na equipe da seleção brasileira, tendo sido convocado para o mundial de 2016, na Indonésia – ao qual, por falta de patrocínio, não pode comparecer –, e para campeonatos sulamericanos e panamericanos. Porém, mesmo com todos estes certificados, os maiores presentes que o caratê lhe concedeu, segundo o próprio campeão, foram os ensinamentos adquiridos e repassados. “Sempre me emociono ao receber agradecimentos de ex-alunos, justificando que os valores básicos das artes marciais, como respeito, disciplina e ética, foram de grande importância nas suas respectivas vidas pessoais e profissionais. Acredito que, diante destes princípios e do apoio da ABCC aos alunos, não vai demorar muito para que alguns destes jovens atletas já estejam em competições mundo afora”, afirmou o professor. Graduado na primeira turma de Educação Física da Universidade Salgado de Oliveira, em 2006, e pós-graduado em Educação Física Escolar pela Universidade de Pernambuco (2008) e em Psicomotricidade Relacional pela Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (2010), Lessa está na ABCC desde outubro de 2017 e, recentemente, foi o único professor nordestino dentre os 10 brasileiros selecionados pela Diretoria da Federação Internacional de Karate Shotokan (ISKF) para participar de um treinamento especial em Brasília, agendado para o final de 2018, que tem como intuito formar instrutores com validade internacional na linhagem Shotokan. (JS)

Andrey Marinho
O caratê é uma modalidade recente na Associação Beneficente Criança Cidadã, mas rapidamente atraiu várias crianças para a prática esportiva. Foi assim com Andrey Marinho, 11, que entrou no projeto social da ABCC Sede no ano passado. Desde outubro de 2017, quando o caratê foi implantado, o aluno aprende o esporte olímpico. “Não sabia que tinha esportes na ABCC. Aí minha mãe soube, eu fiz a seleção para entrar e passei. O aprendizado [do caratê] é bom porque nos esforçamos e isso traz disciplina e comprometimento”, destaca. Na ABCC, o primogênito de três filhos da família Marinho também recebe aulas de reforço escolar (Português e Matemática), judô e taekwondo. Segundo ele, isso tem ajudado nos estudos regulares da Escola Creusa Barreto Dornelas Câmara (Caic), na Torre, onde cursa o sexto ano do Ensino Fundamental. “O reforço tem ajudado em outras disciplinas, como Ciências, História e Geografia. As avaliações feitas pelas professoras também contribuem para isso”, aponta. Nesses dois anos como aluno do projeto, Andrey Marinho já participou de diversos passeios e comemorações internas, como a visita ao Museu Cais do Sertão, em junho de 2017, e a festa do Dia das Crianças, em outubro do mesmo ano. “[A festa] foi muito legal. Teve futebol de sabão, pipoca, refrigerante, churros e pula-pula”, recorda. Nas horas vagas, gosta de jogar futebol, mas o caratê é mesmo sua maior motivação. “Eu fico estudando os golpes sempre que posso.” Por ser um destaque, foi escalado para disputar o Campeonato Pernambucano de Karate (Campek), no último mês de novembro, no Recife, e conquistou a medalha de bronze no naipe kumite (sub-14). Sobre o aprendizado com o professor José Lessa Júnior, Andrey ressalta a dedicação e seriedade do docente. “Ele é um bom professor, ensina bem. É chato quando o aluno não tem um bom comportamento e é bom quando o aluno se comporta bem”, explica o pequeno, que pretende seguir os passos do mestre e ensinar caratê, além de ser um youtuber. (HN)

Confira outras edições