Revista Criança Cidadã - Matérias

Renovação de convênio garante continuidade de sonhos

Edição 24 - Setembro/Dezembro 2017

Com três anos de existência, a primeira extensão da Orquestra Criança Cidadã fora do Recife já colhe frutos e permanece com patrocínio da nova gestão do município do Ipojuca

- Tamíz Freitas

Viagens pelo mundo afora, intercâmbios musicais, plateias cada vez maiores. Esse é o resultado do trabalho desenvolvido em apenas três anos com 100 crianças e adolescentes da Orquestra Criança Cidadã dos Meninos do Ipojuca. O projeto tem o mesmo molde dos “Meninos do Coque”, do Recife, fundado em 2006.

O terceiro aniversário do núcleo da OCC no distrito de Camela, a primeira unidade inaugurada fora da capital pernambucana, se consagrou com a confirmação da renovação do convênio entre a Associação Beneficente Criança Cidadã (ABCC) e a Prefeitura Municipal do Ipojuca, em julho passado, possibilitando o prosseguimento da formação de novos profissionais e unindo a música clássica à cidadania.

A história começou em 14 de setembro de 2014, quando os 100 primeiros alunos passaram a ser contemplados. O projeto que poderia ter apenas a função de reduzir a ociosidade fora da escola alçou voos mais altos. Com a rotina de ensaios da Orquestra — aulas de musicalização (com o auxílio da flauta-doce), instrumentos de cordas (violino, viola, violoncelo e contrabaixo), informática, reforço escolar e acompanhamento psicossocial —, os resultados apareceram logo nos três primeiros meses.

Não à toa, ainda em dezembro daquele ano, os iniciantes foram capazes de subir ao palco para celebrar o natal no distrito de Camela, com o espetáculo “Ipojuca – Natal de Voz e Música”. Desde então, os músicos seguiram em ascensão e o aprendizado pelo qual passam durante seis dias na semana foi garantido graças à implantação de novo convênio de cooperação técnica e financeira, de 15 de julho até 31 de dezembro. Para a manutenção das atividades durante o ano de 2018, foi assinado um termo de fomento entre a ABCC e a prefeitura.

A administração municipal passou às mãos da atual prefeita, Célia Sales, em dia 02 de maio de 2017. Com o encerramento do convênio anterior, a manutenção do projeto foi priorizada para que fosse resolvida, de forma legal, rapidamente. “Esse é um dos projetos de maior orgulho dentro do Ipojuca, pois afasta nossos jovens das drogas, descobre novos talentos; então, sempre prometi dar continuidade, haja vista sua grandiosidade”, confirmou a gestora municipal.

O orgulho, aliás, vai além da atuação da prefeita, como ela faz questão de enfatizar: “Sempre que assisto aos Meninos do Ipojuca, fico muito emocionada como gestora, mas também como ipojucana e mãe, ao ver o talento desses jovens”.

SEJUVE — Oziel Lira é secretário de Juventude e Esportes no Ipojuca e responsável pelo projeto dentro do âmbito da administração municipal. Quando resume o objetivo de sua pasta, deixa clara a concordância com o que a Orquestra prega: “Nosso foco na gestão é dar oportunidade à juventude”. Sobre o balanço do que a Orquestra já realizou para essa camada da população, desde 2014, ele afirma: “É um projeto que se mantém de pé a partir das oportunidades criadas. A arte e a cultura precisam, realmente, alcançar os jovens”. Com a tão falada oportunidade, dada a mais de 100 inscritos, a evolução musical é o destaque. O entendimento é do coordenador pedagógico e maestro Márcio Pereira, que acompanha o grupo desde a sua fundação. “Temos, hoje, alunos capazes de executar repertórios que estudantes de conservatórios de música precisam de cinco anos para dominar; tudo isso em três anos”, compara.

O deslanche na formação musical possibilitou oportunidades de viagens interestaduais e internacionais, como também lembra o regente. Em 2015, cinco alunos acompanharam os Meninos do Coque em viagem para Roma, onde o grupo veterano gravou o álbum Concertos de Bach para violino e orquestra por Orquestra Criança Cidadã e Yoko Kubo, exibido como especial de Natal da Rede Globo Nordeste no dia 24 de dezembro de 2016. Neste mesmo mês, outros quatro músicos ipojucanos tiveram a oportunidade de ir para o exterior. Dessa vez, para Nova Iorque, por ocasião da solenidade dos 70 anos da Unicef, também acompanhando a orquestra do Coque.

As mudanças trazidas com o projeto incluem também o comportamento, a diminuição da evasão escolar e o destaque em concursos externos e vestibulares. Só em 2017, as conquistas se somam à boa performance do violoncelista Jedson Silva na Olimpíada Brasileira de Matemática; à aprovação de Allysson Santos (violoncelo) e Josicleide dos Santos (viola) no vestibular do Instituto Federal de Pernambuco – IFPE; à classificação de Thatyanne Alves (contrabaixista) para a seletiva estadual do concurso de redações “Jovem Senador” e o embarque do também contrabaixista Vinícius dos Santos para o Canadá, através do Programa Ganhe o Mundo Musical.

Com tantos casos de sucesso, não só 100 vidas foram mudadas, mas também 100 famílias. A expectativa é a de que a iniciativa continue perene, com o patrocínio da Prefeitura do Ipojuca. A ampliação para mais distritos e abertura para novas vagas no núcleo de Camela já são possibilidades estudadas, a depender de parceria com empresas patrocinadoras, seja via Lei Rouanet (conforme explica o anúncio ao final da revista) ou através da doação direta.

A prioridade é manter a qualidade do projeto, com o dia a dia de aulas, a oferta de três refeições diárias e a cessão de fardamento completo (diário e de gala) e material de estudo aos beneficiados.

Confira outras edições