Revista Criança Cidadã - Matérias

OCC marca presença especial no Festival Eleazar de Carvalho

Edição 23 - Maio/Agosto 2017

Evento dedicado à memória do mais destacado maestro brasileiro contou com a participação de 20 alunos e do maestro Nilson Galvão Jr., que passaram três semanas na capital cearense.

Carlos Eduardo Amaral.

Regente mais celebrado e conceituado da música sinfônica brasileira, Eleazar de Carvalho (1912-1996) tornou-se lenda ainda em vida ao aventurar-se a construir carreira nos Estados Unidos em plenos anos 1940, logrando tornar-se assistente de Serguei Kussevítski (1874-1951), maestro titular da Sinfônica de Boston entre 1924 e 1949 e diretor do famoso Festival de Música de Tanglewood, no oeste do estado norte-americano de Massachussets.

Para honrar a memória do célebre cearense de Iguatu, sua viúva, a pianista Sônia Muniz de Carvalho, idealizou, pouco tempo depois do falecimento do marido, um festival nos mesmos moldes do de Tanglewood e que tivesse como cenário sua terra natal. Entre os dias 02 e 23 de julho passado, na 19ª edição do evento, que aconteceu em Fortaleza, foram mais de 20 artistas e professores convidados para coordenar ensaios e master classes a mais de 150 alunos selecionados de todo o país, incluindo 20 da Orquestra Criança Cidadã.

O diretor musical da OCC, Nilson Galvão Jr., conta que o Quinteto da Paraíba, do qual é o violoncelista, recebeu um primeiro convite para participar da programação artística do festival. “Em seguida veio o contato para irmos como professores. Porém, todos tínhamos nossas atribuições profissionais e aí negociei de forma que pudéssemos levar nossos alunos. Eles então receberam transporte, alojamento e alimentação, já que a OCC é um projeto social.”

O Festival Eleazar de Carvalho ofereceu cursos de Regência Orquestral, Regência Coral, Prática de Orquestra e Banda, Coral, Canto, Piano, Violão Clássico, instrumentos de cordas, sopros e percussão. Ronedilk Dantas, Thiago Formiga (violinos), Ulisses Silva (viola), Xisto Medeiros (contrabaixo) e Nilson, que coordenou uma turma com 18 violoncelistas, ministraram as aulas de cordas. Também marcaram presença a soprano Angelica de la Riva e o pianista Max Barros, residentes nos Estados Unidos e que fizeram recital no dia 30 de novembro de 2016, com arrecadação revertida para a viagem da OCC a Nova Iorque, em dezembro.

ALUNOS – Viajaram para a capital cearense os violinistas André Luiz Serapião, Henrique Ferreira, João Vitor Azevedo, Luhan Lucena, Ronald José dos Santos e Filipe Reis; os violistas Alexsandro Castro, Gabriel Francisco e Ítalo Douglas da Silva; os violoncelistas Davyd França, Diego Dias, Gabriel David Marques e Miqueias Santana; os contrabaixistas Elton Xavier, Ítalo Ferreira e Stive Lima; e os percussionistas Joairam Augusto, Lucas Gabriel Pereira, Thierry Santos e Vinícius Santos.

Gabriel David resume como foi a rotina do evento: “acordar às seis, tomar café às sete e ir para a Unifor [Universidade de Fortaleza] às oito, porque o ensaio começa às nove e vai até o meio-dia.

Vamos almoçar e voltamos às duas pra ter aula. E à noite é obrigatório estar no concerto, às oito e meia, que vai até as dez”. André Luiz, selecionado pelos professores como spalla da orquestra do festival, concorda com o parceiro violoncelista: “está sendo uma experiência ótima, pelo fato de eu ter a chance de ser spalla de uma orquestra sinfônica e de adquirir novos conhecimentos”. Além de André Luiz, a OCC destacou-se com a escolha de Henrique como concertino; de Alexsandro (viola) Diego (cello) e Ítalo (baixo) como chefes de naipes; e de Gabriel e Miqueias, na primeira estante das violas e dos violoncelos, respectivamente.

Confira outras edições