Revista Criança Cidadã - Matérias

De tudo um pouco, com muito estilo – e competência

Edição 23 - Maio/Agosto 2017

Núcleo Popular da Orquestra Criança Cidadã apresenta repertório eclético e arranjos sofisticados, com o melhor da MPB, do rock e da música pernambucana.

Carlos Eduardo Amaral.

O Núcleo Popular da Orquestra Criança nasceu em 2012 com o objetivo de desenvolver a elaboração de arranjos e a interpretação de música popular, dos mais diversos gêneros – do jazz e do rock à MPB e ao frevo –, dentro de um projeto social conhecido pela formação no repertório sinfônico e camerístico. A ideia inicial era a de viabilizar a inserção dos alunos do núcleo no mercado musical de forma mais rápida, por conta da demanda permanente por bateristas, baixistas, guitarristas e tecladistas.

No grupo, os jovens se aperfeiçoam em violão, teclado, bateria e baixos elétrico e acústico (ou estudam esses instrumentos como segunda opção), e contribuem na concepção dos arranjos propostos pelo diretor musical do grupo, o professor Manassés Bispo. No entanto, a formação dos alunos se mantém no repertório tradicional da música sinfônica e de câmara, foco principal da Orquestra Criança Cidadã – o Núcleo Popular ensaia apenas às segundas-feiras pela manhã e trabalha com um grupo de alunos selecionados, disponíveis e dedicados.

O Núcleo Popular tem um toque particular com a presença de um violoncelo, Diego Dias (vide Revista Criança Cidadã n° 22, p. 17), que dá singularidade e cor aos arranjos.

Também fazem parte da formação a vocalista Wanessa Mouta (vide Revista Criança Cidadã n° 21, p. 17), os bateristas Ednaldo Silva e Rayanna Silva e os contrabaixistas Elton Xavier e Orlando Araújo, que se reveza entre o baixo elétrico e o teclado.

A iniciativa do Núcleo Popular da Orquestra Criança Cidadã partiu da exprofessora de Técnica Vocal e Teclado Viviane Bezerra, que foi contratada porque alguns estudantes não se adaptavam aos instrumentos sinfônicos, a exemplo de Wanessa, e a coordenação pedagógica não desejava desligá-los por essa razão.

Em 2013, o grupo estreou em uma apresentação natalina no Colégio Motivo, um dos apoiadores da OCC, e desde então vem realizando apresentações regulares na capital pernambucana. Em 2016, os shows aconteceram na Livraria Saraiva do Shopping Recife e na Caixa Cultural Recife; este ano, o grupo prepara um projeto para seu primeiro CD e um musical baseado em músicas da Disney.

O professor Manassés Bispo passou a integrar o quadro de professores da Orquestra Criança Cidadã em 2014, assumindo a cadeira de Teoria Musical, e recebeu o convite para coordenar o Núcleo, com a saída da professora Viviane. “Estudei o curso técnico de Violão Popular, então, adorei a ideia.

Com o tempo, a banda se solidificou, através da inserção de novos instrumentos e da presença de convidados para master classes”, conta o professor, que atua como guitarrista nas apresentações.

Sobre o projeto do álbum, “a ideia é gravar 12 músicas regionais, incluindo um máximo de quatro faixas só instrumentais, como o Aboio de Cussy de Almeida. Isso precisa ser amadurecido ainda”, explica o professor Manassés. “Embora tenhamos um repertório regional, precisamos passar um pente fino. Pensamos em usar instrumentos clássicos como solistas nas faixas de MPB, como contrabaixo e violoncelo”, acrescenta.

Entre os convidados que ministraram master classes na Orquestra e se apresentaram a convite do Núcleo Popular desde 2015, estão: a Orquestra Experimental de Frevo da UFPE; os guitarristas Ed Andrade, Jaziel Vitalino e Nenel Lucena; o trio Nilsinho Amarante (trombone), Emerson Nascimento (trompete) e Vanderlan Jr. (sax); a cantora Hadassa Rossiter; o grupo de jazz O Experimento, e o GranDuo Brasil (Rafael Meira no violão e Ângelo Lima na clarineta).

Confira outras edições