Revista Criança Cidadã - Matérias

Alunos OCC

Edição 23 - Maio/Agosto 2017

Victor Oliveira.

Passar num concurso de uma boa orquestra no Brasil, morar fora, aprimorar os conhecimentos na Juilliard School (principal escola de Música e Artes Cênicas de Nova York). Esses são alguns desejos para os próximos anos que Victor Oliveira, 23, violinista e arquivista da Orquestra Criança Cidadã, tem. Atualmente, o músico estuda, de segunda a sábado, para prestar vestibular no fim deste ano para a UFPE.

Além disso, ele trabalha no arquivo da OCC há três anos. Victor é responsável, entre outras coisas, pela separação e cópia das partituras e pela encadernação do material necessário para ensaios e apresentações da Orquestra, e para aulas e outras atividades didáticas. Entre um intervalo e outro no arquivo, o também aluno aproveita para estudar seu instrumento e dar aulas aos alunos mais novos.

Victor entrou no projeto com 10 anos de idade. “Os professores daqui viram que eu levava jeito para ensinar e, com o tempo, me colocaram como monitor.

Acredito que o objetivo de um professor é fazer com que seu aluno o supere e gosto muito de ver os meninos aprendendo. Espero, no futuro, dar aulas na Orquestra, e adoraria também que fosse criado um novo núcleo, onde os ex-alunos, como eu, pudessem ensinar, porque há muitos músicos da minha época que já estão se formando na Universidade”, detalha. Durante esse período no projeto, Victor destaca a influência de dois professores no seu processo de aprendizagem: Filipe Johnson e Gilson Cornélio Filho. “Eles são uma inspiração pra mim”, comenta.

Além das pretensões de futuro, Victor concilia os estudos à vida de marido e pai. Casado há três anos com Ladjane Maria, ele é pai de Thiago Henrique, filho da primeira união de sua esposa. Nas poucas horas vagas, o músico se distrai com jogos de videogame como FIFA, e seriados de ação do Netflix, como Demolidor e Punho de Ferro. Às vezes, uma praia também entra nas opções de lazer. (PP)

Confira outras edições