Revista Criança Cidadã - Matérias

Um concerto à brasileira

Edição 22 - Janeiro/Abril 2017

Se, do ponto de vista midiático, a performance de cinco minutos no aniversário da Unicef foi o maior momento de visibilidade mundial da Orquestra Criança Cidadã, do ponto de vista artístico o concerto na Igreja de Nossa Senhora da Pompeia, na parte sul da Ilha de Manhattan, às 19h30 do dia 09 de dezembro, notabilizou-se por ter sido o primeiro da OCC dedicado integralmente à música de concerto brasileira. O repertório, representativamente, foi aberto com peças dos dois mais importantes compositores da história da música nacional: o primeiro movimento da Bachianas Brasileiras n° 4 de Heitor Villa-Lobos (1887-1959), Prelúdio (Introdução), e o quarto movimento da Suíte em ré maior para cordas, Burrico de pau, de Antonio Carlos Gomes (1836-1896).

A seguir, o programa deu lugar inteiramente aos compositores de Pernambuco, com as Três peças nordestinas de Clóvis Pereira (1932) e Recifando, o último dos Três movimentos para cordas e percussão, de Syrlane Moura (1980), personagem do Perfil desta edição da Revista Criança Cidadã. A autora, residente em Nova Iorque, estava na plateia e fez questão de cumprimentar o maestro e os músicos pela interpretação, após o concerto. Além das Três peças nordestinas, outros três clássicos da música armorial completaram a sequência: a suíte Sem lei nem rei, de Capiba (1904-1997), Chegança e Mourão.

No apagar das luzes, quando os instrumentos começavam a ser retirados, um momento de descontração viralizou no Facebook: o percussionista Lucas Gabriel começou a tocar Brasileirinho, de Waldir Azevedo (1923-1980), ao xilofone, para deleite dos ouvintes que tiravam fotos com os músicos. Logo se juntaram a ele o colega Thierry Santos, na caixa, e os violinistas João Pedro Lima e Calini Brito, que sacaram pandeiro e ganzá para animar a canja. O vídeo foi postado dois dias depois, mas rendeu mais de 2 mil visualizações apenas na página da Orquestra.

O maestro Nilson Galvão Jr. avaliou o desempenho dos alunos de forma positiva. “ Os meninos estavam extremamente confiantes, apesar de haver acontecido alguns erros por conta do nervosismo. Tecnicamente foram muito bem. Fizeram tudo o que a gente tinha pedido na questão da musicalidade, do fraseado, e o grupo estava muito coeso. Isso é uma coisa muito boa porque é um repertório extenso, bem diferente. Então o balanço que faço é muito positivo, pois é um grupo muito jovem, mas que, mesmo assim, mostrou grande destreza na parte técnica.”

Antes da apresentação musical, o diretor executivo da Câmara de Comércio Brasil - Estados Unidos, James Rosenstein, proferiu um discurso de boas-vindas à Orquestra Criança Cidadã e convidou o coordenador geral, João Targino, para os agradecimentos aos patrocinadores, apoiadores e benfeitores que permitiram à OCC atender o convite da Unicef e oferecer essa apresentação como contrapartida à colônia brasileira em Nova Iorque. O pároco italiano Walter Tonelotto e seu auxiliar, Mario Jose Zambiasi, que celebra os serviços em português cumprimentaram a Orquestra e elogiaram o trabalho social desenvolvido por ela.

Antes da volta ao hotel Roger Smith, a Orquestra e os convidados congraçaram-se no salão paroquial com um jantar libanês oferecido pelo senhor Rony Saliba, que auxilia os trabalhos da igreja como leigo. A Igreja de N. S. da Pompeia realiza serviços (missas) em inglês, italiano, português e tagalo (língua oficial das Filipinas) com transmissão ao vivo pela internet pelo site http://www.ourladyofpompeiinyc.com. (CEA)

Confira outras edições