Revista Criança Cidadã - Matérias

A viagem da consagração

Edição 22 - Janeiro/Abril 2017

Orquestra Criança Cidadã realiza quarta participação internacional e apresenta a música pernambucana e brasileira a ouvintes dos cinco continentes.

- Carlos Eduardo Amaral

Recepcionados por Alexandra Day e seu marido brasileiro, Frutuoso Santana, que nos apresentaram a famosa escola de artes dramáticas, música e dança. O Lincoln Center é um complexo cultural que abriga, além da Juilliard, a Metropolitan Opera, a Orquestra Filarmônica, o Balé e a Biblioteca Pública de Nova Iorque, entre outros espaços culturais afins. Depois, à noite, o concerto para a colônia brasileira (vide matéria a seguir). No sábado, dia 10, o dia foi livre para passeios, enquanto o domingo (11) pela manhã, entre as 10 e 12 horas, foi dedicado ao ensaio para a Children’sTakeover, na sede da ONU. À tarde, finalmente, veio a tão esperada neve, no único dia em que ela caiu na primeira quinzena do mês.

O DIA D – No dia 12, das 14 às 14h30, a Orquestra se apresentou no hall principal da sede das Nações Unidas, mostrando seu repertório de arranjos de música popular para visitantes e funcionários, com a presença do coordenador de marca da Unicef, David Ohana, do assistente de construção de marca Angus Ingham e do ministro Philip Gough, diplomata da Missão Permanente do Brasil para a ONU. Era a hora ideal para aguardar o novo secretário geral da ONU, António Guterres, que havia prestado juramento pela manhã, mas ele já havia cumprido os compromissos do dia. Enquanto isso, a plateia teve a oportunidade de ouvir as músicas que o público recifense já conhece de cor nas apresentações da OCC: Aquarela do Brasil, Lamento sertanejo, Carinhoso, um pot-pourri com Samba de verão, Tico-tico no fubá e Último dia, encerrando com Asa Branca. No meio do programa, o violinista João Pedro Lima foi solista em Myway, retribuindo a calorosidade da cidade que nos acolheu por uma semana.

Depois de um lanche reforçado, oferecido pela Unicef, e de um breve descanso, os músicos concentraram-se às 18h para entrar no palco às 19h em ponto, na câmara do Conselho Social e Econômico das Nações Unidas. Nesse meio tempo, Dr. Targino, MyrnaTargino, coordenadora financeira da Orquestra, maestro Nilson e três alunos – Brenda Mouta (violino), Kaylla Duarte (violino) e Cícero Bezerra (viola) – representaram todos os músicos no Blue Carpet, junto aos embaixadores da Unicef. Assim que os músicos da OCC entraram, o ator Jackie Chan, um dos embaixadores, foi ao encontro do grupo para tirar fotos. Estavam também presentes o ator Orlando Bloom, Priyanka Chopra (Miss Mundo 2000, anunciada como embaixadora durante o evento), o ex-refugiadoIshmaelBeah, o músico FemiKuti, a cantora AngéliqueKidjo e o astro do futebol David Beckham.

Após o vídeo de abertura, com depoimento do secretário geral anterior da ONU, Ban Ki-moon, sobre o auxílio da Unicef em sua infância, coube a Orquestra Criança Cidadã abrir a Children’sTakeover (Invasão das crianças), que durou uma hora e meia. A participação da OCC foi tocando Chegança, de BennyWolkoff, melhor música para uma abertura (até no nome), e Mourão, de César Guerra-Peixe e Clóvis Pereira, dois clássicos da música armorial. Foram apenas cinco minutos, mas que justificaram toda a preparação dos últimos seis meses e mostraram a arte e a cultura de Pernambuco para o mundo. Orlando Bloom ainda deu atenção a todos os músicos que o procuraram para tirar mais fotos; apenas Beckham saiu às pressas, antes de os convidados da solenidade se darem conta. O evento em si começou logo antes, com a exibição de um vídeo com o então secretário geral da ONU, Ban Ki-moon.

Estava cumprida a missão. O dia seguinte foi para compras e passeios, e uma passagem na Churrascaria Plataforma, que ofereceu um almoço à Orquestra. Por fim, a viagem de volta, que aconteceu em duas levas, por falta de vagas para todos em um mesmo voo: o primeiro grupo, com 27 integrantes, chegou no dia 14 à noite, via Miami; o segundo grupo dirigiu-se ao Rio de Janeiro e chegou ao Recife na noite do dia 15. Com todos juntos novamente na Orquestra, as lembranças e brincadeiras sobre os acontecimentos de Nova Iorque tiveram lugar até o final do mês. Agora, já estamos pensando qual vai ser nosso próximo destino internacional em 2017. Teremos notícia boa. Aguardem.

Confira outras edições