Revista Criança Cidadã - Matérias

Alunos OCC (parte 1)

Edição 22 - Janeiro/Abril 2017

- Diego Dias

“Eu não sei como seria minha vida se eu não estivesse aqui”. A frase poderia ser de vários dos alunos da Orquestra Criança Cidadã, mas é do violoncelista Diego Dias, 19, há oito anos no projeto. A ideia de entrar no universo da música apareceu quando viu o primo ensaiando. Depois que ingressou na OCC, o garoto tocava violino, mas, após ouvir o som do violoncelo, pediu para fazer a troca. “Fiquei encantado quando ouvi o som. Ele tem notas mais graves, também tem notas agudas bonitas. Acho também mais charmoso, porque a gente toca sentado”, afirma sobre a escolha do instrumento. Morador do Coque, filho de marceneiro e de costureira, com três irmãos, Diego se tornou o orgulho da família. E com razão. O músico, que cursa bacharelado em Música pela UFPE e participa da Sinfonietta dessa universidade, já se apresentou nos festivais Mimo e Virtuosi, participou do Festival Internacional de Música de Santa Catarina e tocou na Orquestra Jovem do Conservatório Pernambucano de Música. Para ele, a seleção se tornou mais difícil, porque, na época, os colegas já tinham 10 anos de experiência no instrumento e ele estudava há apenas três. O músico ainda faz apresentações com a Orquestra de Câmara do CPM, com a Orquestra Jovem de Pernambuco, além de trabalhos em festas particulares. Atualmente, Diego é monitor na Orquestra e dá aula a 20 alunos. “Gosto muito de dar aula. Penso em fazer mestrado fora do país, após a graduação; mas ainda faltam três anos para eu me formar. Por enquanto, quero continuar aqui Orquestra. Gosto muito daqui. É muito tempo de convivência. Viramos uma família”, diz. Nesse tempo de projeto, alguns momentos marcaram Diego: “Me esforcei bastante para ir ao Faustão. Tinha entrado há pouco tempo na OCC. Também foram importantes a gravação do DVD em Roma e a viagem a Nova York. Fico realizado ao saber que meus sonhos estão se realizando com a música”, conclui. (PP)

Confira outras edições