Revista Criança Cidadã - Matérias

Exaltação à oportunidade

Edição 21 - Setembro/Dezembro 2016

Adaptado do discurso por ocasião do concerto de 10 anos da Orquestra Criança Cidadã, dia 02 de setembro de 2016, no Teatro Luiz Mendonça - Parque Dona Lindu, Recife

Advertido pela máxima latina “estobrevisetplacebis”, ou seja, “sede breves e agradareis”, prometo tentar agradá-los, senão pelo conteúdo da fala, ao menos pela brevidade do discurso. Nesta época em que a alegria invade o espírito e o coração de cada integrante do projeto Orquestra Criança Cidadã, bem como os quatro cantos deste teatro, ressoam, aqui, os ecos da fé, da esperança e da cidadania a dizerem: “nunca deixamos de estar presentes nessa Orquestra ao longo de seus 10 anos de vida”. Sem dúvida, fé, esperança e cidadania têm se constituído na Santíssima Trindade que ilumina esse trabalho ao longo de seu primeiro decênio existencial.

Evitarei falar de possíveis méritos, de prováveis glórias alcançadas ou das conquistas obtidos pela Orquestra Criança Cidadã em cada um de seus núcleos: o do Coque, com 230 alunos, cujo aniversário se comemora aqui, e o de Ipojuca, no Distrito de Camela, com 100 integrantes e 2 anos de inaugurado. Não farei por entender que ninguém pode ser juiz de si próprio. Cada um dos senhores, na condição de magistrado, à vista do que sabe e do que viu acerca dos projetos, que julgue se eles têm ou não méritos; se merecem ou não prosseguirem.

O que não posso deixar de fazer nesta hora, porque minha consciência me implora que o faça, e não quero nunca ficar em desarmonia com ela, é transmitir-lhes uma mensagem, fruto do mais precioso ensinamento amealhado na labuta com a Orquestra Criança Cidadã. Essa mensagem, que se pudesse receber um nome ou um título, certamente, seria denominada exaltação à oportunidade. Falo da oportunidade como dádiva que não pode deixar de ser concedida a todas as pessoas, especialmente aos jovens carentes.

A oportunidade é a palavra mágica que, quando concedida de verdade, sem o caráter de esmola, tem o miraculoso poder de fazer brotar a esperança, de alimentar sonhos, de transformar vidas. Dar oportunidade é o que o projeto Orquestra Criança Cidadã tem buscado fazer desde que surgiu. Um talento encoberto ao longo de uma vida, por ausência de oportunidade, é a própria negação à humanidade de dispor de um dom concedido por Deus a um filho Seu, que deixou de se manifestar no campo das artes, dos esportes, da literatura, das ciências etc.

E o Pai Celestial, como Ser verdadeiramente justo e misericordioso, parece dotar as localidades onde escasseiam os bens materiais com a riqueza dos talentos, que, para aflorarem, necessitam que um braço de oportunidade lhes sejam estendidos.

Agradeço, inicialmente, a Deus por ter me dado a oportunidade, como servo Seu e voluntário, de ajudar ao próximo com este trabalho. Ao Desembargador Nildo Nery, nossa luz maior aqui na terra, exemplo diário de afirmação do que prega: “a melhor maneira de ser feliz é ajudando ao próximo”. A Myrna, minha querida esposa, pela dedicação e comprometimento com essa causa. Ao Maestro Cussy de Almeida, de saudosa memória, pelo exemplo imorredouro que nos legou. A Nilson Galvão, tão jovem, quanto competente maestro dessa Orquestra, e a cada um dos professores e funcionários, pelo incansável esforço diário de elevar para bem alto o nome do projeto.

Aos nossos irmãos japoneses Yoko Kubo, YasukaziChaki, YukiHori e Akira Iwao, pela demonstração inequívoca de que não há distância quando se quer fazer o bem. Toda gratidão também e principalmente a cada um dos patrocinadores dessa causa, verdadeiros anjos da guarda, que permitem com seus gestos beneméritos a descoberta e o crescimento dos talentos desses jovens músicos e musicistas do Coque e de Camela.

Digo, em meu nome pessoal e como porta-voz de cada um deles, muitíssimo obrigado ao Exército Brasileiro, à Caixa Econômica Federal, ao Sesi-Fiepe, à EBrasil, à Chesf, ao Tecon Suape, à Prefeitura do Ipojuca, ao Colégio Motivo, à Shineray, à Toyolex, à Unimed Recife. Igualmente, aos parceiros e a cada um que, em algum momento nesses 10 anos, de alguma forma contribuiu para que aqui chegássemos com a alegria e o entusiasmo dessa comemoração, nossa mais acendrada gratidão. Muito obrigado, também, pelos apoios que proporcionaram a realização dessa festa, advindos dos Srs. Ricardo Brennand, Ildefonso Torres de Sá, Armando Monteiro Filho e Celso Maia Duarte.

Fiquem certos todos vós, construtores desta obra de cidadania, que o bem que fizestes, fizestes primeiro a vós mesmos, na medida em que fostes mais premiados, do àqueles a quem o bem tu fizestes. Muito obrigado.

Confira outras edições