Revista Criança Cidadã - Matérias

Abrindo caminhos de diálogo

Edição 21 - Setembro/Dezembro 2016

Parceria entre ABCC e secretaria municipal promove ações contínuas de conscientização contra o uso de drogas na sede da Associação, para pais, alunos e funcionários

Parcerias são comuns em ambientes empresariais. Em projetos sociais, são essenciais para darem suporte a fim de que planos e melhorias saiam do planejamento para a prática. Um exemplo que tem funcionado é o da relação entre o Espaço Cultural e Esportivo Criança Cidadã (ECECC) e a Secretaria de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas (Secod), da Prefeitura do Recife. Há seis meses, a Secretaria vem desenvolvendo um trabalho de palestras, cursos e orientações aos funcionários, alunos e familiares do Espaço.

“O assessor de Comunicação da Associação Beneficente Criança Cidadã, Carlos Eduardo Amaral, conhecia o trabalho da Secretaria, fez o contato e mencionou uma possível parceria. Visitamos o espaço e resolvemos criar o vínculo. A partir de então, marcamos atividades de prevenção ao uso abusivo do crack e outras drogas; realizamos rodas de diálogo com crianças e, depois, o projeto Foco (Formação Comunitária) com os profissionais da ABCC”, explicou Hortência Leal, coordenadora do Comitê Local de Recuperação de Situação de Risco da RPA-4 (Região Político-Administrativa).

A Secod tem como missão implantar políticas públicas de redução de riscos e agravos relacionados ao uso abusivo do crack e outras drogas no Recife. O projeto Foco habilita lideranças não-formais e instituições parceiras para falarem sobre drogas. Há ainda a tentativa de fortalecer a cultura de proteção e prevenção aos danos e agravos decorrentes do uso, abuso e dependência dessas substâncias. Hortência conta que, em outros momentos, a Secod articula acolhida, escuta e possíveis encaminhamentos aos usuários que demandavam serviços de tratamento.

São três os eixos prioritários de trabalho da Secod: prevenção, tratamento, e inserção produtiva e ressocialização. Em cada um deles, há projetos realizados para que sejam viabilizadas ações que contribuam para uma sociedade consciente e inclusiva. No eixo de prevenção, há três frentes de trabalho: Recife Previne (seis unidades móveis que circulam pela cidade realizando atividades lúdicas e artísticas para prevenir o uso de drogas), Foco (realiza a formação de agentes multiplicadores de prevenção, ou seja, capacita lideranças das comunidades e instituições) e Usina Cultural. Nesse eixo, as ações tentam promover a prevenção sobre o uso abusivo de drogas, por meio de ações de orientação à população.

O eixo de tratamento é apoiado por dois projetos: o Programa Atitude Recife e o surgimento de vagas em Comunidades Terapêuticas, com o acolhimento e acompanhamento das pessoas que se encontram em situação de risco e vulnerabilidade. São serviços que farão parte da rede de tratamento. Porser uma Secretaria com menos de dois anosde existência, há muito trabalho a ser realizado. Atualmente, a cidade do Recife, de acordo com Hortência, conta com uma rede de serviços que funciona de forma integrada.

Além da Secod, outros serviços fazem parte de uma rede de atenção aos usuários de drogas e suas famílias, como os CAPS AD (Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas), as intervenções dos Agentes Redutores de Danos (profissionais que orientam usuários, familiares e comunidade em relação aos serviços de saúde para possíveis necessidades) e o Atitude (Atenção Integral aos Usuários de Drogas e seus familiares) Estadual. O programa do Governo Estadual é coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos e atende os usuários de crack, álcool e outras drogas, com atenção à família, através de cuidados com higiene, alimentação, atendimento psicossocial e encaminhamentos para as redes SUS e SUAS (Sistema Único de Assistência Social).

Por último, o Eixo de Inserção Produtiva e Ressocialização desenvolve dois projetos: Recomeçar e Construindo Caminhos, que possibilitam a inclusão dessas pessoas no mercado de trabalho e a capacitação dos jovens não apenas para o mercado, mas para o desenvolvimento de ferramentas para o empreendedorismo. No primeiro, a população vai ao serviço em uma unidade específica da Secod. O segundo projeto capacita jovens, cria um banco de dados e, por fim, vai até a comunidade.

PARCERIA - Hortência explica como tem sido essa relação: “Os trabalhos vêm sendo desenvolvidos de forma dialogada com o objetivo de maior qualidade e sucesso nas atividades realizadas. Desde o começo, as equipes foram receptivas ao nosso trabalho”, destaca. Para o gerente administrativo do (ECECC), Gleikson Ferreira, a parceria vem sendo válida devido à praticidade como a temática é abordada nas palestras e deixando de ser um tabu para muitos.

O gerente também descobriu, durante esse período, que a maneira como crianças e adolescentes percebem o assunto são diferentes, então, ajustes foram feitos pelas duas instituições. Ainda segundo ele, os adolescentes se identificam bastante com os vídeos exibidos, porque, infelizmente, o que é mostrado faz parte da realidade deles. “Eles perguntam muito, interagem, ficaram impactados. Às vezes, têm dúvidas consideradas simples para muitos, mas que mostram como tem sido importante esse trabalho para a prevenção”, diz.

Segundo Gleikson, a parceria tem funcionado, principalmente, porque os jovens e os familiares têm mostrado interesse e, agora, os funcionários podem lidar melhor com a dependência. “A gente aprende como identificar se algum aluno faz uso de drogas, como agir diante de crises, além de compreendermos melhor os direitos deles e os nossos”, detalha.

Ele conta ainda que de 150 alunos, dois usam cola e com a parceria, o Espaço melhorou a conduta em relação aos adolescentes. “Em relação às famílias, elas estão se fazendo mais presentes, porque têm medo do que pode acontecer no futuro. Houve reunião onde 70 mães participaram”, relata com alegria. A Secod ainda cede ao Espaço uma psicóloga e o CAPS, uma assistente social. Quem precisar de ajuda, informação ou orientação, é só ligar para (81) 9 9390.1679, das 8h às 18h, ou mandar um e-mail para secodpcr@recife.pe.gov.br.

- Parceira também contra a violência sexual

A ONG Ajuda (Assistência Jurídica aos Direitos do Adolescente) é outra parceira do Espaço Cultural e Esportivo Criança Cidadã. Não apenas as crianças e os adolescentes do Espaço, mas todos os jovens que sentirem que estão tendo seus direitos violados podem procurar a coordenação e gerência do projeto ou a própria ONG. A Ajuda presta assistência jurídica aos que não podem pagar por um advogado e contribui na fiscalização e garantia dos direitos desses jovens, já que o Estado não atende a toda a demanda existente.

A assistência é prestada por um grupo formado por seis voluntários responsáveis por receber as denúncias e encaminhar os processos. “Está sendo gratificante realizar este trabalho, porque a gente pode contribuir para o desenvolvimento de um fiozinho de esperança para os adolescentes que sofrem tanto hoje”, conta Iuri Cordeiro, presidente da Ajuda, que conheceu a ABCC por meio do juiz Paulo Brandão, da Vara da Infância e da Juventude.

Iuri Cordeiro é advogado com especialização em Políticas Públicas e Sociais. Nesses meses, a ONG já recebeu também denúncias de abuso sexual e trabalha junto ao Ministério Público para que todos os casos de qualquer tipo violência ganhem celeridade. No Espaço, o projeto capacita os funcionários para que consigam identificar os jovens que podem sofrer algum tipo de abuso e também para entenderem quais são os prejuízos, a longo prazo, em caso de omissão. Quem precisar de orientação, é só ligar para (81) 3203 3223.

Confira outras edições