Revista Criança Cidadã - Matérias

A cantora-revelação do Núcleo Popular da OCC

Edição 21 - Setembro/Dezembro 2016

Wanessa Mouta entrou na Orquestra depois de fazer um teste de última hora, não se adaptou a nenhum instrumento e descobriu no canto sua autêntica vocação artística

Dois mil e nove, e uma prova mudaria os anos seguintes da vida de Wanessa Mouta, de 22 anos. Ela acompanhava o tio e a prima Brenda, que faria o teste para ingressar na Orquestra Criança Cidadã, quando também resolveu passar pelo exame, de última hora, sendo aprovada com Brenda. Logo quando entrou, começou a aprender viola. Em seguida, migrou para o violoncelo. Mas o sonho de Wanessa era ser cantora, e a Orquestra ainda não tinha professora de canto.

Após um ano de OCC, a garota falou com o desembargador Nildo Nery, presidente da Associação Beneficente Criança Cidadã, que gerencia a Orquestra, e disse que seu sonho era cantar. “Ele pediu que eu cantasse uma música para ele, disse que acreditava em mim e contratou a professora Viviane Bezerra. Eu saí correndo pelo pátio. Nunca vou esquecer esse dia!”, relembra.

Além das aulas de canto, Wanessa continuou fazendo aulas de solfejo, flauta doce e teoria musical, por dois anos. Após a saída da professora Viviane do projeto, o grupo de flautas Sonoru’s acolheu Wanessa. Em 2012, então, para que o conhecimento adquirido por ela pudesse ser utilizado de alguma forma, a professora Janaína Mendes, coordenadora pedagógica à época, resolveu criar o Núcleo Popular da Orquestra, onde Wanessa é cantora.

“O Núcleo foi criado por causa de Wanessa e de Luauria Santos, que também não se adaptava a nenhum instrumento, mas eram ótimas alunas e não queríamos que elas saíssem da ONG”, contou o professor Manessés Bispo, que assina a direção musical do Núcleo há um ano e meio. Segundo Wanessa, foi com ele que ela aprendeu a fazer com que as pessoas sintam a música que ela canta. O professor entende a razão da música ser o que ela é de encontrar uma maneira com que o público goste do que ouve e, assim, gere afeto.

Wanessa já cursou produção fonográfica na Faculdade Aeso Barros Melo, em Olinda, parceira da OCC. Mas precisou trancar o curso para cuidar da mãe, que teve câncer de mama. Com a recuperação da mãe, que também adora música, Wanessa se dedica ao vestibular de Licenciatura em Música na UFPE. “Minha vida é bem corrida, porque eu fico aqui na Orquestra durante o dia, estudo quando chego em casa e ainda ajudo minha mãe em casa”, relata a rotina agitada, com um sorriso largo e a calma de poucos.

Sem desgrudar dos fones de ouvido, a aspirante a cantora conta que tem jogo de luz e microfone em seu quarto, onde sempre faz shows particulares para si mesma. Na playlist, Wanessa escuta desde Chico Buarque ao grupo de rock britânico Queen. O desejo para os próximos anos é poder dividir o palco com cantoras consagradas como Ivete Sangalo e Ana Carolina. “Para os próximos anos, me imagino sempre cantando. Se eu não conseguir, quero ser professora de canto e ajudar com que outras pessoas realizem esse sonho”, contou. Há quatro meses, ela é monitora e dá aulas de flautas e solfejo a 30 alunos da OCC, além de aulas individuais aos que têm mais dificuldade.

Em breve, Wanessa vai sair da Orquestra e o futuro a deixa apreensiva. “A OCC se transformou na minha casa. Já penso em como vai ser no dia em que vou sair. Vou ficar órfã das pessoas. É muito tempo de convivência”, disse. E enquanto esse dia não chega, Wanessa continua com seus sonhos pelos espaços da Orquestra Criança Cidadã.

Confira outras edições