Revista Criança Cidadã - Matérias

Um ano de novos conhecimentos

Edição 21 - Setembro/Dezembro 2016

Há um ano, a Orquestra Criança Cidadã faz parte do Programa de Escolas Associadas (PEA) da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), que coordena uma rede internacional de escolas que trabalham pela cultura de paz. Anualmente, o PEA estabelece um tema central a ser desenvolvido e, com isso, instituições de ensino associadas em todo o mundo debatem o assunto paralelamente ao seu programa pedagógico cotidiano. Atualmente, 130 países fazem parte do PEA.

No caso da Orquestra, o convite veio por meio da coordenadora estadual Giovanna Mello, que viu o potencial da ONG para receber o selo de escola associada.

Mas antes foi preciso atender uma série de protocolos. “Nós realizamos um cadastro enorme em dois idiomas, português e inglês, enviamos um relatório de atividades, fotos, cartas de escolas públicas da região explicando qual a importância da Orquestra”, explicou Aldir Teodózio, coordenador pedagógico do Núcleo do Coque.

Após o recebimento do selo, é preciso que cada escola elabore um planejamento pedagógico, todos os anos, com base nos temas mundiais propostos pela Unesco e submeta-o à aprovação da organização.

Os temas do ano passado foram camelídeos e grãos pulses (um tipo de semente seca, como feijão e grão de bico). Como as temáticas não se adequaram à realidade brasileira, sobretudo recifense, foi pedida uma autorização para que o trabalho de 2016 fosse realizado com base nos quatro grandes temas de 2015: sistema das Nações Unidas, Sustentabilidade, Interculturalidade e Trabalho e Cidadania.

No Núcleo do Coque, o Conselho do PEA é formado por Aldir, pelo maestro Nilson Galvão Jr., pela professora de violino Rafaela Fonseca e pela pedagoga Daniela Santos. Cada tema é abordado com atividades práticas, como oficinas de reciclagem, e palestras voltadas para o empreendedorismo e preenchimento de currículo, por exemplo, além do que é desempenhado em sala de aula.

Durante 2016, os alunos aprenderam sobre o que são consulados, qual a importância deles, para que servem. Puderam saber mais sobre o meio ambiente e a importância de preservá-lo, e visitaram o Jardim Botânico do Recife, eleito um dos cinco melhores do país em 2015 pelo Ministério do Meio Ambiente.

Em relação à área cultural, o maestro Nilson Galvão Jr. explicou a relevância de se estudar a interculturalidade musical: “Nós já trabalhávamos essa temática aqui na OCC, mas através do Programa, podemos direcionar melhor nossas ações. Com os meninos, trabalho a questão da linguagem musical relacionando a obra com o país de origem de cada autor”, detalhou.

Uma forma de ajustar o conhecimento entre as escolas do Brasil é através de congressos nacionais, como o que aconteceu em outubro, na praia de Ponta Negra, em Natal-RN. Quem representou a Orquestra no Congresso Nacional do PEA foi o coordenador pedagógico Aldir Teodózio, que participou de palestras e oficinas e conheceu a experiência de outras instituições de ensino.

“O encontro foi muito proveitoso. Trocamos muitas experiências e discutimos bastante a relação aluno-professor. Tudo o que aprendi aqui vou repassar aos nossos professores, para que eles também apliquem em suas práticas pedagógicas no dia a dia”, relata Aldir.

As palestras do congresso trataram de educação de valores, tecnologias aplicadas à educação e relatos das experiências vivenciadas pelos membros das escolas associadas, além da participação das coordenadoras nacional e internacional do PEA. Cada escola participante também ganhou uma cartilha com propostas de atividades didáticas.

Confira outras edições