Revista Criança Cidadã - Matérias

Redes Sociais - ABCC e OCC no mundo virtual

Edição 20 - Maio/Agosto 2016

Com a expansão da internet, a necessidade humana de se comunicar e se inserir em grupos sociais nunca esteve tão em alta. O advento da comunicação em redes virtuais facilita a vida moderna e vem mudando a forma de trabalhar em diversas organizações empresariais. Essas mudanças também ocorreram na área do terceiro setor, que, além de divulgar as atividades dos seus projetos, consegue ainda angariar patrocinadores e apoiadores. A partir de 2013, a Orquestra Criança Cidadã e a Associação Beneficente Criança Cidadã começaram a garantir suas presenças em uma das principais redes sociais da atualidade, o Facebook, que tem mais de 500 milhões de usuários e já conquistou o título de site mais visitado do mundo.

Poucas pessoas sabem, mas os termos redes sociais e mídias sociais são mais antigos do que a própria internet. Porém eles nunca foram tão utilizados quanto nos dias atuais. Pode-se entender por redes sociais, estruturas virtuais compostas por pessoas ou organizações, conectadas por um ou vários tipos de relações, partilhando valores e objetivos comuns na internet. Já as mídias sociais, em seu sentido genérico, são aplicações feitas para internet que possibilitam a criação e a troca de conteúdo. Portanto, alguns exemplos de mídias sociais são: Twitter, YouTube, WhatsApp e Flickr. Enquanto redes sociais podem ser: Facebook, Myspace, Instagram, Snapchat, entre outros.

A chinesa Clara Shih, autora do livro The Facebook era, aponta que o Brasil cresceu absurdamente rápido em redes sociais. Para a especialista, mesmo com as demais redes sociais da atualidade, o Facebook ainda é a principal forma das instituições conseguirem conversar e conhecer seu público, e dados apresentados pela autora mostram que 73,5% das empresas americanas já consideram as mídias sociais primordiais para a estratégia de suas instituições.

A internet mostrou à humanidade que a vida é feita de conexões e tudo está interligado. Com esse pensamento, a partir de 2016, o assessor de comunicação da ABCC, Carlos Eduardo Amaral, adicionou os perfis da ONG e dos seus projetos a demais redes sociais, também muito acessadas na atualidade, entre elas o Instagram, Snapchat e o LinkedIn. Segundo Carlos Eduardo, essa inserção do nome da ABCC e da OCC em mais canais tem a intenção de aproximá-las de públicos-alvo mais variados: o Snapchat, de adolescentes; o Instagram, dos apreciadores e profissionais de fotografia, design e artes; o LinkedIn, do público comercial e corporativo. “O trabalho, tanto da Associação quanto da Orquestra, está consolidado, mas brand marketing (divulgação e consolidação de marca) nunca é demais. Ainda por cima, a legião de fãs do projeto já começa a se estender a outros estados brasileiros e ao exterior”, aponta.

É crescente a adesão do público à fan page – página que reúne fãs de um tema específico no Facebook – da ABCC. Mariza Fabrício é coordenadora pedagógica do Espaço Cultural e Esportivo Criança Cidadã, e reconhece que o Facebook consegue dar voz aos beneficiários do Espaço. “Tanto profissionais quanto alunos conseguem se sentir representados e se ver a partir de um canal que está a serviço deles”, afirmou.

A produtora de eventos da Orquestra, Gabryella Boudoux, acredita que o primeiro contato das pessoas com o projeto acontece nas redes sociais. “As pessoas veem fotos, vídeos, cartazes de apresentações no Facebook e Instagram e isso desperta o interesse delas para contratar os nossos músicos para atuar em seus eventos. A internet é uma boa ferramenta de marketing e contribuiu bastante para a popularização do nosso trabalho”, explica.

Confira outras edições