NOTÍCIAS

24/janeiro/2011

Em nome dos órfãos

Dilma cria comissão para determinar regras adotadas em casos de crianças que perdem as famílias em catástrofes

Diário de Pernambuco
O governo federal criou um comitê para elaborar normas e regulamentos para atender às crianças que perdem pais e familiares em tragédias naturais, como a que arrasou a região serrana do Rio de Janeiro. O grupo, coordenado pela Secretaria-Geral da Presidência e inicialmente formado por três pastas ligadas à Presidência, tem como primeiro teste quatro irmãos, órfãos após as enchentes em Nova Friburgo e Teresópolis, no Rio. Sem familiares sobreviventes da tragédia, eles foram levados para abrigos e recebem atendimento psicológico. Mais tarde, serão encaminhados para a adoção.

O primeiro encontro do comitê responsável por normatizar o atendimento a crianças ocorreu ontem, no Palácio do Planalto. As secretárias de Direitos Humanos, Maria do Rosário, Integração Racial, Luiza Bairros, e Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes sentaram à mesa com a presidente Dilma Rousseff e traçaram o primeiro esboço dos trabalhos. No Rio de Janeiro, os trabalhos de identificação e amparo às crianças órfãs depois da enchente têm ficado a cargo do Poder Judiciário e do Ministério Público.

A presidente recomendou às três ministras que preparem um estudo para situações emergenciais, que inclua a União, estados e municípios. O trabalho ainda terá integrantes dos ministérios de Saúde, Educação, Casa Civil, Justiça e Desenvolvimento Social. "O Brasil precisa ter infraestrutura, estar preparado pra discutir moradias, áreas de risco, tudo o que já foi discutido, mas também precisa de atendimento humano e a abordagem a essas crianças", explica Rosário.

O principal trabalho do comitê de atendimento às vítimas de catástrofes será intensificar a identificação das crianças e adolescentes abrigados em Nova Friburgo e em Teresópolis. O maior receio é de que a situação caótica vivida pelos dois municípios propicie adoções ilegais, algo vivido pelo Haiti depois do terremoto do ano passado. Ao todo, seriam quase 3 mil jovens desabrigados. "Nossa prioridade, quando há familiares adultos da criança, é deixá-la com a própria família. Caso isso não seja possível, como no caso dos quatro irmãos órfãos, elas são encaminhadas para um programa de família acolhedora. O Rio de Janeiro já tem um rol de famílias inscritas e registradas como aptas a lidar em situações emergenciais. Uma delas irá cuidar dessas crianças", disse Rosário.

Recursos

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai emprestar R$ 400 milhões para financiar o setor produtivo das cidades da região serrana. A Medida Provisória, assinada por Dilma Rousseff, entrou em vigor ontem e tem o objetivo de auxiliar a compra de máquinas e equipamentos, além de obras de construção para reerguer a economia dos municípios devastados pelas chuvas. Micro e pequenos produtores terão 10 anos para pagar o empréstimo, com juros de 5,5% e carência de dois anos. Segundo o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, a avaliação das documentações será facilitada pelo banco.

Veja mais notícias

Nossos Projetos

Parceiros

Caixa Econômica FederalDefensoria Pública de PernambucoUniversidade Federal Rural de PernambucoSesiTribunal de Justiça de PernambucoUniversidade Federal de PernambucoGoverno FederalAiesecUninassauInstituto Marista de Solidariedade

SIGA-NOS

NEWSLETTER