NOTÍCIAS

03/setembro/2010

Espaço Dom Helder ganha Curso de Artes

Artista plástico Flávio Gadelha ministrará as atividades

Assessoria de Comunicação da ABCC
As crianças do Espaço Criança Cidadã Dom Helder Camara ganharam mais um presente. Começou ontem (2 de setembro) mais um projeto focado na abertura de portas rumo ao sucesso para os garotos carentes da comunidade do Caiara, no bairro do Cordeiro. O curso de Artes Plásticas, com o renomado artista pernambucano Flávio Gadelha, iniciou-se repleto de expectativas. Afinal, dali poderá sair um discípulo de Gadelha. Um profissional, como objetiva o curso.

Ao todo, 30 crianças iniciaram as aulas. No entanto, ainda haverá um teste de aptidão que, aos poucos, selecionará as mais habilitadas a seguirem os rumos artísticos. Flávio Gadelha teve a primeira aula acompanhada pelo presidente da Associação Beneficente Criança Cidadã, o desembargador Nildo Nery dos Santos, e pela coordenadora-geral do Espaço Dom Helder, a advogada Nair Andrade.
Mostrando-se empolgado com o novo projeto, o artista foi objetivo com os alunos. “Eu vim aqui para ajudar a despertar algo em vocês. Eu não sou ‘papai sabe tudo’. Somente quero auxiliá-los a ter uma profissão”, disse.

O curso de Artes é fruto de mais uma tentativa da coordenadora-geral do projeto, Nair Andrade, em abrir caminhos e meios que possam levar seus pupilos a evoluir na vida. “Considero este curso mais uma ótima oportunidade para esses meninos. É uma felicidade, para nós, termos conseguido trazer um profissional como Flávio Gadelha para ministrar as aulas. Eles terão um bom mestre, com experiência internacional e tudo. Agora, é caminhar para aprenderem o máximo e se tornarem bons profissionais”, afirmou, satisfeita, Nair.

Flávio Gadelha

Começou os estudos em arte aos nove anos de idade, quando ainda vivia em João Pessoa. Ao voltar para Recife, sentindo-se pressionado pela sociedade, que não enxergava com bons olhos o seu trabalho, Flávio resolver ingressar num curso universitário. Prestou vestibular para Filosofia, passou e cursou até o quarto período.

“Abandonei o curso porque a Filosofia estava me deixando doido”, completa com uma espontaneidade que lhe é característica. Depois, fez vestibular para Educação Artística. Terminou o curso e se sentiu mais livre para fazer aquilo que gostava. Estudou na Escola de Belas Artes do Recife durante “cinco anos valiosos”, como diz, e aprendeu pintura acadêmica. Em 1985, Gadelha viajou para Barcelona, na Espanha, para se especializar em restauração de obras de arte, e foi lá que ele fez sua exposição mais marcante, a da Caixa Barcelona.

As obras de Gadelha estão espalhadas por todo o mundo. Em Pernambuco, o artista está em galerias de arte e no Museu do Estado.

Veja mais notícias