NOTÍCIAS

11/abril/2010

Uma história, um sorriso

Voluntários do Grupo Viva e Deixe Viver garantem boas doses de alegria aos pequenos pacientes na AACD

Pelo Diario de Pernambuco
Como propagava uma recente campanha de incentivo à leitura, "ler é uma viagem". Ouvir histórias, também. Por meio das páginas de um livro é possível deixar a imaginação voar.

Podemos entrar no mundo do conto de fadas, conhecer lugares onde nunca estivemos ou garantir uma boa distração. Para as crianças que estão em tratamento médico, participar de atividades de contação de histórias é um alento. A atividade aparentemente simples é fundamental para amenizar o sofrimento de meninos e meninas em tratamento ou internados na Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), localizada na Ilha Joana Bezerra. Esse é o trabalho de 16 voluntários do Grupo Viva e Deixe Viver, que atuam de segunda a sexta-feira. Uma vez por semana, eles se dividem para lembrar às crianças doentes que elas são, sim, crianças.

"Na verdade, somos nós quem ganhamos. É muito gratificante vê-los sorrindo. Sei que, pelo menos num instante, eles esquecem do sofrimento de injeções e fisioterapia e viajam nas historinhas", contou uma das voluntárias, Hermelinda Alice de Andrade, de 50 anos. Todas as terças, ela dedica uma manhã às crianças da AACD. Além dos livros, a aposentada procura inovar as contações levando fantoches. Entre uma brincadeira e outra, os pequenos acabam confessando seus medos à "Linda", como é mais conhecida. O esforço de Hermelinda é reconhecido. "Adoro quando ela conta a história da Chapeuzinho Vermelho. Mas também já ouvi histórias que incentivavam a coragem e a determinação. Elas são importantes para a gente", garantiu Débora Feitosa, 9 anos, amputada das duas pernas e moradora do município de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste do estado.

Quer contribuir para dar alegria a crianças como Débora? O Viva e Deixe Viver está abrindo inscrições para uma nova turma de contadores de histórias, que vai atuar no Instituto do Fígado de Pernambuco (IFP). Estão abertas 20 vagas. Os interessados podem se inscrever através do telefone 3419.4021. Os voluntários têm de disponibilizar duas horas por semana para as atividades, que acontecem de segunda à sexta-feira, e também nos fins de semana. Para participar, é preciso fazer um curso específico de formação, que começa este mês. As aulas serão aos sábados, às 13h30, no auditório do IFP, que fica na Rua Aluísio de Azevedo, número 209, no bairro de Santo Amaro. Os novos contadores devem entrar em ação no mês de agosto.

"Nosso objetivo é lúdico, mas temos depoimentos de médicos que relatam que as crianças passaram a se alimentar melhor depois das contações. Também percebemos que algumas, que quase não falavam, acabam desabafando e revelando suas angústias e medos", afirmou a coordenadora regional do Viva e Deixe Viver, Anelise Barbosa Renda. Para estimular os pequenos, além das histórias clássicas, entram no repertório dos contadores livrinhos que ensinam a escovar os dentes e alertam sobre a importância de uma boa alimentação. "No curso de formação, os voluntários aprendem a fazer com que as crianças reflitam, sempre, sobre os temas. Mas tudoacontece de um jeito informal, muitas vezes com o auxílio de bonecos, massas de modelar ou papel e lápis", ensinou.

Veja mais notícias