NOTÍCIAS

25/novembro/2013

MEC vai dar bolsas para professores do ensino médio

Ideia é usar o mesmo formato do programa que incentiva alfabetizadores; ministério vai mostrar detalhes na semana que vem

Paulo Saldaña - O Estado de São Paulo
O Ministério da Educação (MEC) vai lançar um programa de bolsas de formação para professores do ensino médio com o objetivo de melhorar essa fase do ensino. Seguindo o modelo do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), o projeto vai dar bolsas também aos orientadores das escolas, coordenadores regionais e das secretarias de Educação e docentes das universidades - responsáveis pela formação de profissionais. Também haverá desenvolvimento de material específico.

O programa seria lançado nesta quarta-feira, dia 20, mas foi adiado pelo MEC por problemas de agenda, segundo a assessoria de imprensa da pasta. O anúncio deve ocorrer na segunda-feira.

O projeto é uma ação do MEC com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), que discutem a reforma da etapa desde o ano passado. Hoje, 86% da oferta de ensino médio cabe às redes estaduais.

A pasta já anunciou criação de 30 mil bolsas para alunos do ensino médio que queiram ser professores de matemática, física, química e biologia. O MEC e o Consed também articulam a mudança da base curricular para áreas (linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas), como é o Enem.

Os detalhes sobre o número de bolsas e orçamento serão apresentados em Brasília na semana que vem. No Pnaic, cuja meta é alfabetizar as crianças até os 8 anos, a previsão é gastar R$ 2,7 bilhões até o ano que vem. Professores alfabetizadores recebem bolsas de R$ 200, mas os pagamentos aumentam dependendo da função. O País tem 8 milhões de alunos na fase de alfabetização.

Já no ensino médio, são cerca de 5,5 milhões matrículas - o que representa 52% dos jovens entre 15 a 17 anos. Outros 25% dos adolescentes nessa faixa etária estão atrasados. Mais de 1,5 milhão de adolescentes dessa idade estão fora da escola. Além disso, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do ensino médio estagnou em 2011 - nos anos iniciais, o indicador havia mostrou crescimento.

Para a diretora da ONG Todos Pela Educação, Priscila Cruz, a formação é necessária, mas uma reforma é essencial. "O modelo de 13 disciplinas, igual para todos, está comprovadamente equivocado. Não responde ao mundo atual e ao jovem", diz ela, que participou dos debates na Câmara dos Deputados sobre alteração da organização dos currículos do ensino médio. Além de indicar novo desenho da grade, o relatório preliminar aponta para criação de escolas vocacionadas para determinadas áreas e ênfase na formação profissional.

Veja mais notícias

Nossos Projetos

Parceiros

Instituto Marista de SolidariedadeUninassauUniversidade Federal Rural de PernambucoUniversidade Federal de PernambucoTribunal de Justiça de PernambucoSesiGoverno FederalCaixa Econômica FederalDefensoria Pública de PernambucoAiesec

SIGA-NOS

NEWSLETTER