NOTÍCIAS

02/setembro/2013

SP estuda priorizar pobres em creche

Prefeitura vai propor 'fila social' em audiência no Tribunal de Justiça; hoje, há 127 mil crianças de 0 a 3 anos que não são atendidas

Paulo Saldaña
A Prefeitura de São Paulo vai propor a criação de uma "fila social" para priorizar os mais pobres no atendimento em creches. Atualmente, a precedência é pela ordem de inscrição, mas o acatamento de decisões judiciais a favor de famílias tem dominado as matrículas. A proposta vai ser apresentada hoje em audiência pública convocada pelo Tribunal de Justiça (TJ) para tratar da educação infantil.

Ministério Público, Defensoria Pública e entidades como Ação Educativa, que participam da audiência, pressionam a Prefeitura a assinar na Justiça compromisso de expansão de vagas e manutenção de critérios de qualidade. Ontem, na véspera da audiência no TJ, o prefeito Fernando Haddad (PT) lançou a Política Municipal para o Desenvolvimento Integral da Primeira Infância da Cidade de São Paulo.

Chamada de São Paulo Carinhoso, em referência ao programa federal Brasil Carinhoso, com o qual mantém ligação, a política cria uma articulação entre secretarias municipais, desde Saúde à Assistência Social, voltada para a primeira infância. O comitê gestor será presidido pela primeira-dama, Ana Estela Haddad.

Apesar de não definir ações específicas, o programa prioriza "territórios e populações em situação de maior vulnerabilidade social" nas políticas de primeira infância. "Nossa tarefa é romper barreiras entre pobreza e riqueza", disse o prefeito.

Haddad lembrou que o porcentual de atendimento em creche das crianças mais pobres é menor do que na média na cidade de São Paulo. Em junho, a Prefeitura registrava 211 mil matrículas em creches, que atendem crianças de 0 a 3 anos - o equivalente a 34,4% das crianças dessa faixa etária na cidade. Por outro lado, tendo como base as beneficiadas pelo programa Bolsa Família, apenas 22% - ou 18,5 mil crianças - de famílias com até três salários mínimos estão em creches.

Atualmente, há 127 mil crianças nessa faixa etária cadastradas pela Prefeitura que não são atendidas em creches.

Prioridade. A desempregada Juliana Moraes, de 25 anos, está com sua filha Débora, de 1, na fila por uma creche na Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo. Ela pretende voltar a trabalhar com telemarketing, mas enquanto não arruma creche, mãe e filha dependem da aposentadoria de um salário mínimo da avó de Débora.

"Já pensei em procurar a Justiça, como me disseram na escola. Mas não sei onde procurar", diz Juliana.

Segundo o secretário municipal de Educação, Cesar Callegari, a questão da priorização e os desafios legais para a ideia serão debatidos na audiência no TJ. "Pretendo ouvir muito, mas vou falar a respeito dessa questão. Temos de enfrentar a situação de desenvolver políticas desiguais para desiguais."

O promotor João Paulo Faustinoni e Silva, do Grupo de Educação do Ministério Público (Geduc), disse que conheceu apenas à noite a existência dessa política. "Não vi dados de execução, mas acho importante essa preocupação", diz. "O foco na audiência é mais definido, um direito específico das crianças que vem sendo ignorado." Ele diz acreditar que alguns critérios de priorização possam ser discutidos, mas é preciso uma proposta objetiva.

Veja mais notícias

Nossos Projetos

Parceiros

Instituto Marista de SolidariedadeSesiCaixa Econômica FederalDefensoria Pública de PernambucoGoverno FederalUniversidade Federal de PernambucoTribunal de Justiça de PernambucoAiesecUninassauUniversidade Federal Rural de Pernambuco

SIGA-NOS

NEWSLETTER